Cerratinga

Licuri

>> Clique e acesse os Produtos, Produtores e Receitas com esta espécie
Espécie da Caatinga

Conhecida como a palmeira sertaneja, o licuri (nome científico: Syagrus coronata) também é chamado por alicuri, aricuí, adicuri, cabeçudo, coqueiro-aracuri, coqueiro-dicuri, iricuri, oricuri, ouricurizeiro, uricuri e uricuriba.

Licuri - coquinho (Foto: DoDesign-s)

Licuri – coquinho (Foto: DoDesign-s)

A palmeira pode alcançar 11 metros de altura, suas folhas enfileiradas parecem formar uma coroa. A espécie pode ser encontrada no norte de Minas Gerais, na porção oriental e central da Bahia até o sul de Pernambuco e também nos estados de Sergipe e Alagoas.

Licuri - cacho (Foto: DoDesign-s)

Licuri – cacho (Foto: DoDesign-s)

Os cachos de licuri têm em média 1.350 frutos, os quais medem aproximadamente dois centímetros. Enquanto verdes, os frutos possuem, no seu interior, uma textura aquosa, que vai endurecendo no processo de amadurecimento, dando origem à amêndoa. A coloração varia do amarelo-claro ao laranja.

Licuri - fruto (Foto: DoDesign-s)

Licuri – fruto (Foto: DoDesign-s)

Do licuri tudo se aproveita. As folhas são utilizadas na fabricação artesanal de sacolas, chapéus, vassouras, espanadores, entre outros. A amêndoa produz um óleo utilizado na culinária, similar ao óleo de coco, sendo também considerado o melhor óleo do país para a fabricação de sabão. A amêndoa é também utilizada na fabricação de doces, como a cocada, de licores e do leite de licuri, especialidade da cozinha baiana. Os resíduos da extração do óleo da amêndoa são empregados na alimentação animal.

Mata de Licuris (Foto: DoDesign-s)

Mata de Licuris (Foto: DoDesign-s)

É importante ainda observar que o licuri é um dos principais alimentos da arara-azul-de-lear, sendo considerado indispensável para a sobrevivência deste animal, endêmico da Caatinga brasileira e ameaçado de extinção.

Publicação para download

>> Boas Práticas de Manejo para o Extrativismo Sustentável do Licuri (PDF)